Vulnerabilidade em chips IoT pode entregar a hackers controle de bilhões de dispositivos

 Vulnerabilidade em chips IoT pode entregar a hackers controle de bilhões de dispositivos

IBM encontrou vulnerabilidade em módulos da fabricante francesa Thale.

A IBM encontrou uma falha de segurança em uma série de chips de conectividade IoT (Internet das Coisas) que pode deixar bilhões de dispositivos vulneráveis à invasão e controle de máquinas. A família de módulos EHS8, fabricado pela Thales, apresentou uma vulnerabilidade que pode comprometer o controle de dispositivos industriais, comerciais e médicos abertos aos invasores.

A equipe de hackers X-Force Red da IBM encontrou a vulnerabilidade nos módulos em setembro de 2019 e, desde então, tem trabalhado conjuntamente com a Thales. A falha afeta os módulos Cinterion EHS8 M2M. Os módulos EHS8 são construídos para máquinas IoT industriais que operam em fábricas, no setor de energia e funções médicas, e são projetados para criar canais de comunicação seguros em redes 3G e 4G, de acordo com reportagem do TechRepublic.

Um invasor que consegue invadir usando o método da IBM pode “potencialmente controlar um dispositivo ou obter acesso à rede de controle central para conduzir ataques generalizados – mesmo remotamente via 3G em alguns casos”.

Com a assessoria da IBM, a Thales lançou um patch de segurança para dispositivos afetados, que incluem Thales ‘BGS5, EHS5 / 6/8, PDS5 / 6/8, ELS61, ELS81 e Módulos PLS62. O módulo EHS8 apresenta a falha mais séria, pois ele hospeda muitas informações confidenciais como senhas, chaves de criptografia e certificados comumente confiáveis para módulos EHS8 para permitir a comunicação.

Apoiador:

A função que as máquinas e dispositivos com módulos EHS8 desempenham torna essa falha de segurança crítica. Os dispositivos médicos penetrados por um invasor podem ser manipulados para encobrir sinais vitais, criar falsas situações de pânico, induzir até mesmo overdose de pacientes ou interromper funções essenciais de salvamento, de acordo com a IBM.

No setor de energia e serviços públicos, um módulo EHS8 comprometido pode ser usado para manipular leituras de medidores inteligentes, desligar medidores para cortar energia ou danificar a própria rede elétrica, diz o site.

Midlet Java

A falha decorre do ambiente Java integrado, que permite a instalação de midlets Java para customização do módulo. Em seu nível mais básico, o módulo EHS8 opera como um modem Hayes antigo, o que significa que pode ser manipulado usando os mesmos tipos de comandos básicos que um modem Hayes poderia, diz o site.

“Na prática, isso significa que o aplicativo Java pode ser contornado e o controle devolvido ao nível inferior, permitindo que um invasor controle o módulo diretamente”, disse a IBM.

Outro elemento que torna a falha ainda mais grave é que o invasor ao entrar no dispositivo, pode iniciar comandos padrão que permitem ao módulo discar um número, mostrar informações do fabricante ou instalar midlets Java.

A instalação de um midlet copia o código para a área de armazenamento segura do módulo, que é projetada apenas para gravação. O X-Force Red da IBM descobriu que não era o caso: os pesquisadores puderam usar as mesmas etapas para obter acesso total de leitura, gravação e exclusão.

“Como Java é facilmente revertido para código legível por humanos, isso poderia expor a lógica completa de qualquer aplicativo, bem como quaisquer ‘segredos’ embutidos, como senhas, chaves criptográficas etc. e torna o roubo de IP uma operação muito simples”, disse a IBM.

O que fazer

A IBM recomenda que as organizações que possuem máquinas que usam qualquer um desses chips: aplique o patch Thales lançado, repense o que armazena em dispositivos IoT, use a análise comportamental para determinar se alguma atividade incomum está ocorrendo e contrate hackers para conduzir testes de penetração em seu rede.

Por Redação

Via CIO

Editor MDR

Você pode gostar também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *