Varejo digital cresce 104% no 2º trimestre e faturamento chega a R$ 33 bilhões

 Varejo digital cresce 104% no 2º trimestre e faturamento chega a R$ 33 bilhões

Longe de ter motivos para se preocupar com falta de dinheiro, o setor faturou mais do que o dobro da cifra registrada no mesmo período do ano passado (Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)

A pandemia e o isolamento social trouxeram efeitos negativos para a vida de grande parte dos brasileiros: sob a ótica da economia, a falta de mobilidade social “quebrou” muitas companhias, sem perspectivas claras de retomada.

Na contramão desse cenário, empresas de tecnologia crescem cada vez mais – o que, dentro do varejo, tem seu equivalente claro com o sucesso do e-commerce.

Longe de ter motivos para se preocupar com falta de dinheiro, o setor faturou R$ 33 bilhões no segundo trimestre deste ano, mais do que o dobro da cifra registrada no mesmo período do ano passado (ao todo, o crescimento foi de 104,2%).

O resultado foi apurado pela Neotrust/Compre&Confie, empresa de inteligência de mercado focada em e-commerce, e apresentado no relatório homônimo, apresentado trimestralmente pela companhia com foco total no varejo eletrônico do país.

Sem sair de casa, brasileiros buscaram ao máximo itens utilizados em seu dia a dia na internet. O conforto de consumir com apenas alguns cliques ganhou popularidade e 82,8 milhões de pedidos foram realizados nesse período – aumento de 112,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

O “boca a boca” a respeito das facilidades de comprar on-line foi tão grande que fez 23,6 milhões de pessoas comprarem pelo menos um item durante os meses de abril a junho, volume 82,1% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado.

Apoiador:

Desse total, 5,70 milhões de pessoas ingressaram no e-commerce pela primeira vez – ou seja, quase um quarto dos consumidores do período foi formado por brasileiros que nunca haviam comprado online.

O aumento significativo das vendas via e-commerce também impacta diretamente os números da fraude no setor, aponta levantamento da ClearSale, também presente no relatório trimestral. Nos seis primeiros meses do ano, foram mais de R$ 765 milhões em fraudes evitadas.

O valor, apesar de ser 63,5% superior aos prejuízos evitados no e-commerce no mesmo período de 2019, é inferior ao aumento das vendas pelo canal no cenário de pandemia e restrição da circulação de pessoas nas ruas. Ou seja, as vendas boas crescem mais do que as tentativas de fraude.

Na quebra por regiões, a Norte é a que teve maior índice de tentativas de fraude no período, com 3,44%. Em seguida, a região Nordeste aparece no ranking com 2,17%, praticamente empatada com a Centro-Oeste, que ficou com 2,13%.

As regiões Sudeste, com 1,25%, e Sul, com 0,79%, foram as que apresentaram os menores índices.

Reestruturação

E-commerce
Mesmo em meio a um momento tão delicado para a sociedade, a Compre&Confie consolidou sua presença no varejo digital (Imagem: Unsplash/@andrewtneel)

Com tanta demanda no ambiente digital, a Compre&Confie encontrou a oportunidade perfeita para crescer e diversificar sua atuação no varejo on-line. A partir de hoje, a companhia tornase a aceleradora de negócios digitais do T. Group (holding que centraliza todos os negócios originados com a ClearSale).

“Sem dúvida, estamos muito felizes com essa conquista. Mesmo em meio a um momento tão delicado para a sociedade, consolidamos a nossa presença no varejo digital e esperamos contribuir cada vez mais para a confiança de empresas e consumidores no varejo on-line. Nossa estimativa é a de crescer 350% nos próximos 12 meses com a nova configuração da empresa”, explica André Dias, diretor executivo da Compre&Confie.

A partir dessa nova estrutura, a companhia passa a dividir sua atuação em dois pilares: o Neotrust, que vai agregar toda a parte de inteligência de mercado da companhia, além de seus relatórios periódicos; e o aplicativo para smartphones VIPy, totalmente focado no consumidor final e em tornar a experiência de compra pela internet cada vez mais segura.

Além das duas novas empresas, a aceleradora ainda conta com as empresas Lomadee (plataforma especializada em marketing de afiliados) e com a Send4, companhia focada em automatizar processos de logística reversa para e-commerce.

Com o crescimento da empresa, André Dias, co-fundador e Diretor do Compre&Confie, assume o cargo de Diretor Executivo da nova empresa Neotrust, além de ocupar este mesmo cargo na Lomadee, empresa de marketing de afiliados adquirida pelo T.Group no início de 2020. A presidência da Compre&Confie continuará sendo ocupada por Mauro Back.

Por Lucas Simões

Via MoneyTimes

Editor MDR

Você pode gostar também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *