Terceirização da TI está de volta (e a TI está mais crítica do que nunca)

 Terceirização da TI está de volta (e a TI está mais crítica do que nunca)

Em tempos de pandemia, sucesso da transformação depende da aplicação e expansão criativas da TI

A terceirização de TI já foi declarada como morta há uma década, tornando-se uma prática não muito recomendada depois de florescer brevemente nas décadas de 1980 e 1990. Na época, as organizações procuraram reduzir seus custos de computação transferindo custos de infraestrutura e de pessoal para empresas que administravam tudo por elas de forma mais barata. A ideia era que a TI fosse tão uma mercadoria quanto a água ou a energia elétrica, uma filosofia resumida por Nicholas Carr em seu severo ensaio de 2003, “IT Doesn’t Matter”.

Muito mudou desde então. Marc Andreessen previu em seu famoso ensaio de 2011 “Software is Eating The World” que a TI de fato não estava morta, mas “estamos no meio de uma dramática e ampla mudança tecnológica e econômica na qual as empresas de software estão prontas para assumir grandes áreas [sic] da economia”.

Com a transformação digital na mente de quase todos os executivos hoje em dia, as organizações agora entendem que o sucesso depende de sua capacidade de aplicar e estender criativamente a TI de maneiras que as diferenciem dos concorrentes.

No entanto, nem mesmo as maiores organizações de TI podem lidar com a vasta gama de opções que os serviços em nuvem apresentam. Portanto, a terceirização está de volta, mas de uma nova forma e impulsionada por novas motivações, como crescimento dos negócios, experiência do cliente e interrupção competitiva.

Apoiador:

Esse novo tipo de relacionamento de terceirização é estratégico e transformador. É informado pela conscientização situacional, usada para determinar quais atividades devem ser terceirizadas. Tome como exemplo a migração para a nuvem, um processo complexo que quase toda empresa enfrenta. Os executivos entendem que as práticas de “levantar e mudar” dos adotantes iniciais não exploravam todo o valor da nuvem. A migração abrange a avaliação das principais competências para determinar quais aplicativos são melhor gerenciados internamente e quais podem ser transferidos para a infraestrutura em nuvem ou licenciados como um serviço.

Ao terceirizar estrategicamente partes do processo, as empresas podem aproveitar a experiência de parceiros que facilitaram centenas de migrações para outros clientes. Os compromissos podem durar apenas alguns meses ou podem persistir indefinidamente; essa decisão é motivada pelo crescente consenso de que as organizações devem fazer o que fazem de melhor e terceirizar o resto.

A rápida mudança para o trabalho remoto, atualmente mantendo as equipes de TI ocupadas, destacou a terceirização como peça fundamental de qualquer resposta a um evento externo. À medida que as organizações ajustam a infraestrutura e o software para conectar os trabalhadores, estão reconsiderando os papeis e funções. Deveriam dedicar todo o seu tempo e recursos à conexão de trabalhadores remotos para que eles pudessem executar tarefas rotineiras que poderiam ser terceirizadas? Talvez seja hora de reavaliar.

A classificação dessa rápida transformação envolverá vários fornecedores, parceiros, consultores e provedores de serviços gerenciados, todos necessários para navegar na transição atual e preparar o cenário para o sucesso futuro. O objetivo desse projeto não é economizar custos, mas transformar a maneira como uma empresa gerencia seus ativos e força de trabalho, e possibilita a colaboração entre seus funcionários.

Projetos transformadores como esses exigem uma nova abordagem para o gerenciamento de contratos. “As empresas dependerão mais do que nunca de um pequeno grupo de fornecedores estratégicos que serão solicitados a ajudar a reduzir substancialmente custos e riscos, mas, ainda mais importante, a aumentar significativamente a lucratividade por meio de inovações mais eficazes”, escreveu a Accenture.

“A maioria dos CIOs dessas empresas entende que não se trata da nuvem; esses CIOs sabem que devem mudar fundamentalmente a maneira como executam suas funções de TI, a fim de cumprir a aspiração de que ‘toda empresa é uma empresa de tecnologia’”, escreveu Ken Corless, EVP Offerings e Strategic Partners na DXC Technology.

Os termos dos novos contratos de terceirização também mudarão. Tradicionalmente, os contratos eram escritos para minimizar riscos e interrupções, em vez de promover a inovação. Novos acordos de negócios serão definidos mais pelos resultados dos negócios, como crescimento da receita ou desempenho do Net Promoter Score, do que mitigação de riscos. Como Jimit Arora, sócio na prática de pesquisa de serviços de TI do Everest Group, observou em uma entrevista ao CIO.com, “um contrato escrito por eficiência não se alinha a um contrato que precisa impulsionar o crescimento”.

Se essas novas relações comerciais são chamadas de terceirização, parceria, fornecimento ou outra coisa, não importa. A prática da terceirização está de volta em uma forma nova e dinâmica.

Por Redação

Via CIO

Editor MDR

Você pode gostar também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *