Produção industrial cresce 8,9% em junho, aponta IBGE

 Produção industrial cresce 8,9% em junho, aponta IBGE

O desempenho ficou acima da mediana das estimativas de 28 instituições financeiras e consultorias ouvidas pelo Valor Data

A produção da indústria brasileira cresceu 8,9% na passagem de maio para junho, na série com ajuste sazonal da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF), divulgada nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O desempenho ficou acima da mediana das estimativas de 28 instituições financeiras e consultorias ouvidas pelo Valor Data, de um crescimento de 7,9% em relação a maio, livre dos efeitos sazonais. As projeções iam de alta de 4% a aumento de 11%.

Na comparação com igual mês em 2019, a produção industrial caiu 9,0%. Por essa base de comparação, a expectativa mediana do mercado era de que o indicador tivesse caído 10,9% conforme levantamento do Valor Data.

Com o resultado mensal, a produção da indústria cai 10,9% no acumulado do ano e também recua 5,6% no acumulado em 12 meses. O IBGE revisou, ainda, o dado referente a maio deste ano, na comparação com abril, de aumento de 7% para alta de 8,2%.

Das quatro grandes categorias econômicas da indústria monitoradas pelo IBGE, todas ficaram em terreno positivo na passagem de maio para junho.

Apoiador:

A produção de bens intermediários apresentou alta de 4,9% em junho na comparação com maio. Na comparação com junho do ano passado recuam 5,9%. A categoria representa 55% da indústria.

A produção de bens duráveis, por sua vez, subiu 82,2% de maio para junho, com ajuste sazonal. Em relação a junho do ano passado, a produção cai 35,1% nessa categoria.

Os bens semi e não duráveis tiveram alta de 6,4% na produção em junho, na comparação com maio, segundo os dados do IBGE. Sendo que, ante junho do ano passado, a produção nessa categoria cai 5,6%.

Já os fabricantes de bens de capital registraram aumento de 13,1% em junho, ante maio deste ano. Na comparação com junho do ano passado recuam 22,2%.

Por Valor Econômico

Via Aço Brasil

Editor MDR

Você pode gostar também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *