O que as empresas devem levar em consideração ao retornarem aos escritórios pós-pandemia?

 O que as empresas devem levar em consideração ao retornarem aos escritórios pós-pandemia?

Segundo a Deloitte, organizações devem orientar todas as decisões baseadas na saúde e bem-estar dos funcionários.

O afrouxamento de medidas de isolamento tem feito empresas de diversos lugares do mundo se prepararem para retornar ao local de trabalho. Em uma pesquisa on-line da Deloitte, em maio de 2020 com mais de 1.100 profissionais, metade dos entrevistados observou que sua definição de “reboot” era, ou voltar a sua força de trabalho ao local, ou aumentar a produtividade do trabalho virtual. Mais de 40% desses mesmos entrevistados apontaram a “segurança” como seu principal objetivo em relação a outras prioridades.

A Deloitte sugere uma abordagem para que as organizações obtenham um “Reboot” seguro e produtivo das operações, incluindo locais de trabalho físicos e virtuais, à medida que passam do modo de resposta e avançam em direção a maior produtividade e recuperação. O plano de resposta pandêmica da empresa ajuda as organizações a se prepararem para uma recuperação resiliente e incorpora uma abordagem em três fases: responder, recuperar e prosperar. A reinicialização é o gateway crítico entre as fases Responder e Recuperar”, diz a empresa em comunicado.

“No ‘próximo normal’, não há uma bala de prata para a recuperação. Como cada organização é diferente e o caminho a seguir não será linear, os empregadores precisam de uma abordagem de reinicialização flexível que permita que os componentes sejam discados para cima e para baixo em vários momentos da jornada. Novas informações sobre riscos à saúde pública e preocupações dos funcionários exigirão que os empregadores ajustem seus planos enquanto mantêm o rumo da recuperação”, disse Jonathan Pearce, Diretor da Deloitte Consulting LLP e Líder da Prática de Estratégia de Força de Trabalho da Deloitte

A companhia defende um modelo de “reinicialização” centrado nos funcionários para ajudar as organizações a gerenciar questões de saúde, de segurança e questões financeiras. A empatia e a escuta devem estar no cerne da abordagem de reinicialização das operações, propõe a Deloitte.

Apoiador:

Entre os ativos da Deloitte há uma plataforma de volta ao trabalho; e aplicativos de regulamentação e conformidade. Esses recursos abrangem previsão e mitigação de riscos; gerenciamento e recalibração da resposta a crises; detecção e inteligência de interrupção da cadeia de suprimentos; e monitoramento e insights sobre requisitos regulatórios.

“A reinicialização não pressupõe que os planos sejam um ‘retorno à maneira como as coisas eram’. Com isso em mente, os empregadores devem adotar uma abordagem centrada no ser humano e ‘opt-in’ sempre que possível versus uma que conduz com mandatos corporativos”, disse Gopi Billa, Diretora da Deloitte Consulting LLP e Líder da Oferta de Detecção de Mercado e Planejamento de Cenário da Deloitte. “A saúde e a segurança dos funcionários são fundamentais para qualquer plano de retorno da organização à eficácia operacional. Os funcionários capacitados residem no centro de qualquer iniciativa de retorno ao trabalho”.

Por Redação

Via CIO

Editor MDR

Você pode gostar também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *