Gastos bancários e de títulos com TI devem cair 4,7% em todo o mundo, prevê Gartner

 Gastos bancários e de títulos com TI devem cair 4,7% em todo o mundo, prevê Gartner

Apesar das restrições atuais, novas fontes de receita serão críticas para a recuperação estendida

Os gastos com TI no setor de bancos e títulos deve sofrer queda em todo o mundo, segundo novo relatório do Gartner. Os gastos mundiais com TI no setor bancário e de valores mobiliários devem diminuir quase 4,7%, para US$ 514 bilhões, em 2020. Com uma queda de 12,1%, PCs e dispositivos móveis apresentam maior déficit, seguido por sistemas de data center, segundo relatório de agosto, de análise ano a ano, do Gartner.

“A Covid-19 não só causou incerteza no setor bancário e de títulos neste ano, mas também uma mudança definida na maneira como os clientes devem interagir com suas instituições financeiras”, disse Jeff Casey, Analista Diretor Sênior do Gartner. “Essas empresas continuam respondendo às necessidades emergentes dos clientes em meio ao fechamento econômico em curso e ao apoio governamental cada vez menor”, complementa.

Segundo a consultoria, a resposta inicial da indústria foi dominada por ações operacionais para capacitar uma força de trabalho remota, respondendo ao aumento das necessidades de crédito, educação do canal digital e tranquilizando investidores nervosos. Os canais de atendimento ao cliente foram colocados sob pressão adicional, com os bancos respondendo rapidamente adicionando ou ajustando capacidade tanto nos canais de autoatendimento quanto nos canais de atendimento com pessoal.

Entretanto, o Gartner prevê que os gastos com tecnologia no setor bancário e de títulos se recuperem em 2021, crescendo 6,6% globalmente. O segmento de softwares corporativos apresentou a melhor previsão de recuperação em 2021, com crescimento estimado de 11,4%. O segmento é seguido de sistemas de datacenter, que embora apresente maior queda em 2020, volta a crescer 8,8% em 2021.

Apoiador:

“Com uma melhor compreensão do impacto da Covid-19, os bancos e corretoras de valores estão agora acelerando as iniciativas de automação, como chatbots voltados para o cliente, automação de processos robóticos (RPA) e soluções de originação de contas ponta a ponta”, disse Casey. “Eles também estão focados em redesenhar estruturas e fluxos de trabalho da organização e priorizar iniciativas de modernização”, adiciona.

Após um forte crescimento de 5% em 2019, o impacto da Covid-19 fará com que os gastos com serviços de TI diminuam em 2020. O tamanho do contrato, os termos do contrato e o tipo de negócio serão severamente afetados, já que grandes projetos de transformação são interrompidos ou cancelados.

“Isso terá vida curta, pois os bancos inicialmente reagem e respondem à interrupção da Covid-19. Os gastos com serviços de TI começarão a se recuperar à medida que os bancos acelerarem as iniciativas de modernização repriorizadas em 2021”, disse o analista.

De acordo com a Pesquisa CIO do Gartner 2020, a Covid-19 apresentou uma oportunidade para os bancos aumentarem seu envolvimento digital e ampliarem os serviços oferecidos. Atualmente, os bancos obtêm 27% da receita em média de serviços digitais fornecidos externamente.

Por Redação

Via CIO

Editor MDR

Você pode gostar também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *