Gartner anuncia as três tendências que impactarão o futuro do trabalho

 Gartner anuncia as três tendências que impactarão o futuro do trabalho

Pesquisa indica que a automação de tarefas com recursos de Inteligência Artificial (IA), a destreza digital das equipes e as soluções de trabalho híbrido devem ser vistas como prioridade.

O Gartner, empresa mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, afirma que a automação de tarefas com recursos de Inteligência Artificial (IA), a destreza digital e o trabalho híbrido com equipes distribuídas serão as três tendências principais que impactarão o futuro do trabalho em escala global.

“Em 2020, organizações de todo o mundo experimentaram um aumento repentino do trabalho remoto. Durante essa mudança, a automação da força de trabalho, a destreza digital (digital dexterity, em inglês) e o trabalho híbrido proporcionaram valor de negócios significativo, crescimento da receita e apoio prático para que as organizações pudessem dar continuidade a seus negócios”, avalia Rashmi Choudhary, Analista Principal de Pesquisa do Gartner. “Daqui para frente, a dependência da tecnologia para promover a colaboração e um senso de pertencimento para que os trabalhadores remotos permaneçam conectados e engajados no ‘novo normal’ será mais importante do que nunca.

Para tanto, o Gartner recomenda que os Chief Information Officers (CIOs) e líderes de TI se concentrem nessas três tendências do futuro do trabalho para garantir que suas organizações estejam bem posicionadas ao sair da pandemia.

A Inteligência Artificial predominará na automação das rotinas de trabalho – A Inteligência Artificial já está automatizando grandes partes do trabalho de rotina para direcionar o foco dos colaboradores para as ações estratégicas e de maior valor. Espera-se que as tecnologias de Inteligência Artificial e automação de processos robóticos (RPA – Robotic Process Automation, em inglês) nas empresas sejam aceleradas e tenham o potencial de automatizar grandes faixas de tarefas que são rápidas, conhecidas e repetíveis. O Gartner prevê que a receita global de software de RPA aumentará 19,5% em 2021 e continuará a crescer a taxas de dois dígitos até 2024.

Apoiador:

A Inteligência Artificial fará incursões em muitos aspectos de tarefas não rotineiras e cognitivas realizadas por trabalhadores do conhecimento. Poucos trabalhos serão substituídos por Inteligência Artificial, mas quase todas as atividades passarão por alguma automação ou por aprimoramento digital. As organizações que adotam uma combinação de recursos – com humanos e máquinas complementando as capacidades umas das outras – serão mais eficazes por permitir que seus funcionários realizem melhor seus trabalhos do que modelos só com humanos ou só com máquinas que trabalham sozinhas.

A destreza digital será crítica – As organizações podem construir uma vantagem competitiva, permitindo e valorizando a destreza digital de suas equipes. À medida que as organizações aceleram suas iniciativas de transformação digital, uma forte força de trabalho digitalmente hábil se tornará fundamental.

Por essa razão, os CIOs e líderes de TI devem se concentrar na expansão dos conceitos de TI e trabalhar em estreita colaboração com os líderes de RH para ajudar os funcionários a adotarem rapidamente novas tecnologias e investir em algoritmos e programas de treinamento bem estruturados que identifiquem as habilidades e competências dos profissionais para melhorar a destreza digital da operação como um todo.

“As habilidades são descritas como a nova moeda para o talento. Elas são um elemento fundamental para o gerenciamento da força de trabalho em qualquer setor. A detecção e avaliação de habilidades aprimoradas e automatizadas permitem uma agilidade organizacional significativamente maior”, diz Choudhary.

Trabalho híbrido com força de trabalho distribuída – De acordo com a pesquisa do Gartner, 48% dos funcionários provavelmente continuarão o trabalho no formato remoto após a pandemia, em comparação com 30% que tínhamos no mundo pré-pandêmico. “A Covid-19 acelerou essa tendência, forçando muitas organizações a transferirem uma grande proporção –ou até mesmo toda sua força de trabalho –para o modelo remoto. Após a Covid-19, muitos funcionários desejarão trabalhar a distância mais do que antes da pandemia”, acrescenta a analista.

As organizações irão expandir sua população de trabalhadores híbridos para permitir mais flexibilidade no gerenciamento das equipes, tanto para economia de custos quanto para lidar com ausências temporárias devido a doenças ou assistência médica. Há um interesse renovado entre as organizações de TI e de RH em plataformas de trabalho remoto de última geração, o que melhora o tempo e a presença, o escalonamento das operações, gerenciamento de ausências e organização de tarefas para trabalhadores que atuam a partir de modelos híbridos.

Por Redação

Via INFORCHANNEL

Editor MDR

Você pode gostar também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *