Executivos e engenheiros acham que data centers não atendem a todas as suas necessidades

 Executivos e engenheiros acham que data centers não atendem a todas as suas necessidades

Levantamento baseado em entrevistas com 150 executivos e engenheiros aponta que 71% dos entrevistados não estão satisfeitos com seus data centers

Pesquisa mostra que apenas 29% dos tomadores de decisão nos data centers consideram que as suas atuais instalações atendem às suas necessidades. O relatório “O Data Center Moderno: Como a TI está se Adaptando às Novas Tecnologias e à Hiperconectividade”, da Forbes Insights e da Vertiv, analisa os resultados de uma pesquisa com 150 executivos e engenheiros de data centers de diversas verticais ao redor do mundo. Apenas 6% dos entrevistados dizem que seus data centers estão ultra dimensionados, indo além de suas necessidades.

A falta de planejamento e de preparo é uma das preocupações destacadas pelo relatório. Uma análise mais aprofundada dos resultados revela um contraste muito claro entre os executivos e os engenheiros que atuam nos dada centers: 11% dos executivos dizem que seus data centers estão atualizados além das necessidades atuais, enquanto apenas 1% dos engenheiros dizem o mesmo.

“Os data centers estão evoluindo para incorporar recursos corporativos, de cloud e de edge – isso exige planejamento e prognósticos muito minuciosos. São informações críticas para atender às necessidades de processamento de dados da empresa usuária e a seus objetivos comerciais”, explica Martin Olsen, vice-presidente da Vertiv para Sistemas de Edge Globais.

Não à toa, 92% dos CIOs e CTOs entrevistados dizem que seus negócios irão requerer downloads e tempos de resposta mais rápidos em um futuro próximo. Ainda segundo os entrevistados, as duas áreas que mais precisam de upgrades são segurança (45%) e largura de banda (43%).

“Fica claro que muitas organizações estão deixando a desejar nesse front. É inevitável que, para corrigir esse quadro, as empresas realizem investimentos para buscar ficar atualizadas, à frente das mudanças”, diz Olsen.

Para os entrevistados, segurança (43%), prontidão para backup e emergências (33%), a capacidade de implementar novas tecnologias (28%) e a largura de banda (27%) são as características que darão mais vantagem competitiva à empresa usuária.

Segundo o relatório, eles também estão otimistas sobre os data centers autoconfiguráveis e self-healing, sendo que 24% acreditam que mais da metade de seus data centers serão autoconfiguráveis até 2025 e 32% afirmam que mais da metade serão self-healing.

“Estamos testemunhando uma demanda por maior capacidade nos data centers da América Latina. Órgãos governamentais e empresas em geral estão buscando melhorias significativas em diversas áreas, incluindo infraestrutura de dados, capacidade de computação e largura de banda”, afirma Fernando Garcia, vice-presidente e gerente geral da Vertiv América Latina.

Por Redação

Via CIO

Editor MDR

Você pode gostar também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *