Complexidade e distorções tributárias travam inovação

 Complexidade e distorções tributárias travam inovação

Para empresários, sistema brasileiro é um verdadeiro “manicômio tributário” que atrasa integração no país e no mercado global

O sistema tributário brasileiro é complexo, burocrático e com distorções que elevam os custos das empresas, penalizam as exportações e os investimentos e trazem insegurança jurídica e problemas com o fisco.

A combinação desses fatores cria barreiras para a indústria nacional se integrar a cadeias produtivas globais e focar recursos no que deveria: inovação, pesquisa e qualificação da mão de obra.

Esses são considerados elementos fundamentais para o setor sobreviver a crises, como a que o país enfrenta, em consequência da pandemia do coronavírus, e competir com outros mercados.

A afirmação é unânime entre 12 empresários, líderes de associações de diferentes segmentos da indústria, advogados tributaristas, economistas e pesquisadores consultados. Parte deles participa ativamente do debate e das propostas de reforma tributária, defendida para simplificar a tributação e minimizar os impactos desse sistema.

Apoiador:

“Infernal”, “esquizofrênico”, “anacrônico”, “cheio de puxadinhos” e “manicômio tributário” são expressões frequentes usadas por eles para dar dimensão do que envolve a questão.

Enquanto em ao menos 150 países as indústrias pagam um imposto único, o Imposto sobre o Valor Agregado (IVA  ou uma variação dele, aqui são cinco tributos, cobrados pela União (IPI, PIS, Cofins), por estados (ICMS) e municípios (ISS), que incidem direta ou indiretamente sobre o consumo de bens e serviços.

Cada um dos 26 Estados e o DF tem normas e especificidades para as legislações do ICMS, o imposto considerado mais nocivo à competitividade das empresas, segundo pesquisada Confederação Nacional da Indústria (CNI). E cada um dos mais de 5.500 municípios tem, por sua vez, regras para o ISS.

É um arcabouço de regras federais, estaduais e municipais que já reúne quase 400 mil normas e leis nos últimos 30 anos, segundo especialistas. Por dia, 30 regras são criadas ou atualizadas.

Responsável por um terço de toda a arrecadação de impostos federais e por 30% das contribuições à Previdência, o setor industrial, cuja participação é de 21% na economia, é um dos mais penalizados não só pelo peso da carga tributária, mas pela estrutura do sistema.

As regras permitem desde a sobreposição de impostos até a impossibilidade de receber de volta os créditos gerados pelos tributos pagos em várias etapas da produção. “A carga tributária da indústria, que já é o dobro da média dos demais setores, fica maior ainda com o impacto das distorções, que são agravadas ainda mais pela crise econômica que vivemos”, diz o gerente de Políticas Fiscal e Tributária da CNI, Mario Sergio Carraro Telles.

Entre abril e maio, a pandemia reduziu o faturamento de 57% das empresas exportadoras brasileiras, segundo a confederação.

A partir de dados do Banco Mundial, levantamento da CNI mostra que as empresas de países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) recolhem de impostos, em média, 38% a menos sobre seus lucros do que as empresas brasileiras. Aqui, cerca de dois terços (65%) dos resultados das companhias vão para os cofres públicos.

Um dos principais problemas da estrutura é o sistema de cumulatividade, em que empresas não conseguem compensar parte de tributos – ou a totalidade deles – pagos ao longo da cadeia. Isso torna tudo fabricado no Brasil mais caro.

“Acumulatividade é mortal para as empresas”, diz Telles. “Internamente, prejudica a competitividade dos nossos produtos como importado. E afeta as nossas exportações na hora de competir com produto estrangeiro”, afirma.

Nesse sistema, existem ainda regras extremamente complexas, como a do crédito físico, no caso de ICMS, IPI, PIS e Cofins a empresa só tem direito ao resíduo do que paga se o insumo for fisicamente incorporado ao produto.

A multiplicidade de alíquotas também gera dúvidas frequentes no contribuinte e no próprio fisco, em cada esfera administrativa. O resultado é uma avalanche de autuações, que custa aos dois lados, mas onera ainda mais o contribuinte.

Coordenador do Núcleo de Estudos Fiscais da Fundação Getúlio Vargas (FGV) em São Paulo, o professor Isaías Coelho, que foi consultor para reformas tributárias do FMI, chama a atenção para as distorções geradas na tributação do ICMS – cobrado de forma mista, em parte pelo estado de origem (onde o produto é fabricado) e no destino (onde será consumido).

Na tributação, os estados usam suas alíquotas para favorecer determinados produtos, atrair empresas, o que gera a guerra fiscal, muitas vezes sem transparência, e desequilibra a concorrência entre indústrias de um mesmo segmento.

“Com mudanças oportunistas, manipulações de base de cálculo e competição tributária predatória entre os estados, o ICMS precisa ser reformulado. Está no topo dos problemas”, diz o professor. Europa e EUA, assim como países de outras regiões, adotam a tributação no destino de seus impostos sobre valor agregado. “Para um país ser competitivo, não pode ter um clima de negócios como existe aqui”, diz Coelho.

A complexidade do sistema também inibe o desenvolvimento, principalmente de indústrias de menor porte, que são desestimuladas a crescer e gerar emprego porque não têm como arcar com custos da complexidade da tributação, diz Fernando Pimentel, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit).

“No Brasil, as empresas menores vivem a síndrome de Peter Pan. São condenadas a ficar pequenas porque, se saírem do Simples (regime de tributação simplificado), não sobrevivem”, diz Pimentel.

Por Agência CNI de Notícias

Via Agência de Noticias CNI

Editor MDR

Você pode gostar também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *