Como fazer melhores investimentos em tecnologia

 Como fazer melhores investimentos em tecnologia

6 etapas que os departamentos de TI podem realizar para identificar os gastos e otimizar os investimentos em iniciativas de transformação digital.

Nuvem. No local. SaaS. Serviços comerciais variados. Vários fornecedores. Uma força de trabalho em constante mudança.

Essas são as realidades dos ambientes de TI híbridos contemporâneos, que criam cenários de gerenciamento complexos e em rápida mudança. Embora avaliar e gerenciar uma vasta área de TI possa parecer uma tarefa difícil, fazer isso pode ser um desafio gratificante que abre novas eficiências e leva a investimentos em tecnologia mais otimizados.

Hoje, os gastos com TI estão aumentando. Quase metade (49%) das empresas preveem que os gastos com TI crescerão em 2021. Grande parte disso é para atender às novas demandas de transformação digital. Não é apenas a principal iniciativa (relatada por 56% dos entrevistados), 86% esperam que o ritmo da transformação digital aumente (um pouco ou significativamente) em 2021. Ao mesmo tempo, o foco na economia de custos (relatado como uma principal iniciativa para 9% das empresas em 2020) está crescendo 3 vezes (relatada como a principal iniciativa por 27% em 2021).

Essas descobertas do relatório Flexera 2021 State of Tech Spend destacam os desafios fundamentais para a TI. O segundo relatório anual (com base nas respostas de 474 executivos e gerentes de alto nível em TI, cada um com um conhecimento significativo dos orçamentos gerais de TI de sua organização) avaliou as iniciativas de tecnologia nas quais as empresas estão investindo. Conforme os gastos aumentam, como as organizações podem encontrar economias para reinvestir na transformação digital, computação em nuvem e outras prioridades principais, como a segurança cibernética?

Apoiador:

A otimização do valor da tecnologia (TVO) é a prática de gerenciamento de TI que fornece visibilidade de todo o patrimônio de ativos de TI híbridos de uma empresa (abrangendo data centers locais e o ambiente de nuvem) para unir o gerenciamento de serviços de TI e finanças. Abaixo estão seis etapas de TVO que os departamentos de TI podem realizar para identificar os gastos de TI e reinvestir em iniciativas de tecnologia.

Vá além do choque da pandemia

A pandemia de Covid-19 claramente teve um grande impacto nas organizações e em seu ritmo de transformação digital. Uma maior vontade de mudar para a nuvem (relatada por 42%) é apoiada pelo aumento dos gastos com nuvem, que agora representa 30% dos gastos de TI. Devido à Covid-19, 57% dos entrevistados aumentaram os gastos com SaaS até o momento, e 49% aumentaram os gastos com nuvem pública. Ao mesmo tempo, os gastos com software local estão diminuindo, conforme relatado em 36%.

Por trás desses orçamentos estão os processos de negócios em transformação. Enquanto investem na tecnologia em si, as organizações devem permanecer focadas em fornecer recursos que atendam às necessidades de ambientes híbridos cada vez mais complexos. Voltar ao velho normal não é o objetivo atual. Ajustar-se às novas necessidades dos trabalhadores remotos e aprimorar e requalificar sua força de trabalho farão parte das novas práticas recomendadas. A visibilidade de qual tecnologia está sendo usada é crítica.

Capture o gasto desperdiçado

Quase um terço – 30% – do gasto total de TI é desperdiçado. Esse número é surpreendente e uma indicação de uma oportunidade significativa. Ao capturar o gasto desperdiçado, as organizações têm a chance de reinvesti-lo com mais eficiência. A eficiência de gastos aprimorada pode apoiar iniciativas de transformação digital, realocando investimentos para as iniciativas que permitem a criação de valor de negócios. Uma redução de 5% a 10% pode gerar melhorias significativas no que a TI pode oferecer. Para organizações com orçamentos fixos ou decrescentes, melhorar a eficiência de gastos pode ajudá-las a atingir novas demandas – desde fazer a entrega de serviços inovadores a fazê-los em um ritmo mais rápido.

Descubra, normalize, otimize

Capturar esse desperdício requer um esforço concentrado para descobrir, normalizar e otimizar os serviços, software e hardware em execução no ambiente. Isso não quer dizer que não tenha obstáculos, mas sua necessidade é clara. Os principais desafios para a otimização de gastos de TI são os processos manuais (relatados por 83%) que atrasam as operações e tornam o rastreamento difícil.

Outros desafios principais, cada um relatado por 79%, incluem compreender o custo dos serviços de TI fornecidos, dificuldade em obter dados para otimizar gastos e garantir a eficiência de gastos (evitando desperdícios). As organizações que contam com ferramentas automatizadas que capturam dados de fontes variadas (internas e externas) podem normalizar, racionalizar e apresentar dados acionáveis quase em tempo real.

Mapeie gastos para serviços comerciais

O principal desafio na visibilidade dos gastos de TI, pelo segundo ano consecutivo, é a capacidade de relatar os gastos de TI por serviços de negócios, conforme citado por mais da metade (51%) dos entrevistados. Os serviços de negócios, que geralmente dependem de vários componentes e aplicativos em várias tecnologias, podem compartilhar recursos de nuvem, bancos de dados, hosts, processadores e armazenamento com outros serviços. Quão preciso e atual é o mapeamento de seus serviços de negócios? Como os ativos são usados quando a demanda flutua? Capturar esses dados de custo é um dos elementos mais importantes para entender para onde estão indo os gastos de TI.

Considere o papel da TI descentralizada

Os gastos descentralizados de TI devem continuar, à medida que as unidades de negócios em grandes organizações aproveitam a tecnologia mais adequada para agregar valor aos negócios. As unidades de negócios, que atualmente controlam pouco mais de um quarto de todos os gastos de TI, podem reter o controle sobre essa TI (principalmente se o crescimento ocorrer por meio de fusões e aquisições).

Permitir que os gerentes de linha de negócios tomem decisões rápidas para atender às necessidades de seus mercados pode promover a agilidade. Infelizmente, ele também pode promover redundâncias, insuficiências (em segurança e em outros lugares) e gastos excessivos na forma de shadow IT. A TI central pode influenciar esses gastos, mas muitas vezes não os controla. As unidades de negócios serão bem servidas em parceria com a TI para garantir que as equipes de gerenciamento de ativos de TI (ITAM) e de gerenciamento de ativos de software (SAM) tenham visibilidade de todos os ativos de tecnologia.

Alocar para o crescimento

As operações diárias eficientes geralmente exigem a maior parte da atenção dos líderes de TI. Mas o suporte para crescimento e inovação é igualmente importante para o sucesso de uma organização. E o crescimento e a inovação acontecem quando a TI se alinha às necessidades do negócio. Compare sua organização com seus pares para identificar – e corrigir – quaisquer desequilíbrios significativos. Hoje, os departamentos centrais de TI alocam 64% de seu orçamento para administrar o ambiente atual, com 36% alocados para crescimento e inovação.

Os ambientes de TI híbridos provavelmente crescerão em complexidade e custo. Enquanto isso, a necessidade de otimizar o valor de sua tecnologia se tornará cada vez mais urgente.

Por Kelvin Miller

Via CIO

*Kevin Miller é o gerente de produto sênior da Flexera

Editor MDR

Você pode gostar também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *