As tendências da economia da experiência do cliente

 As tendências da economia da experiência do cliente

Setor financeiro encontra na transformação digital uma aliada estratégica preponderante para a criação de polític.as de relacionamento eficazes.

Priorizar a experiência do cliente é um objetivo comum entre qualquer instituição financeira ou fintech. No entanto, o grande desafio repousa no método adotado pela empresa para atingir esse nível de excelência operacional. A inovação, personificada através de diversas tendências operacionais, representa uma mudança bem-vinda para os que desejam construir uma jornada de relacionamento personalizada.

Unir a eficiência de processos otimizados ao resultado analítico de soluções digitais em produtos e serviços financeiros, sem ignorar a figura do usuário e seu desejo por mais intuição, agilidade e funcionalidade nos procedimentos, é uma realidade cada vez mais alcançável se olharmos a abrangência da transformação digital. Seguindo esse objetivo comum, a economia da experiência chegou para indicar recomendações decisivas para a relação entre empresa e consumidor.

Uma nova concepção sobre o papel do cliente

Antes de conduzir uma mudança drástica nas operações internas, o gestor deve garantir que sua empresa esteja alinhada com uma mentalidade inovadora sobre os interessados em seus serviços ou produtos. Os clientes são o grande denominador comum entre medidas processuais e planejamentos estratégicos voltados para atender às expectativas depositadas na organização.

A atenção aos detalhes deve persistir entre todas as etapas do contato realizado, sempre sob a premissa de que o preço não é o único fator determinante para a escolha do usuário. Simplicidade e a rapidez na resolução de problemas são elementos que fortalecem a comunicação e demonstram conveniência.

Apoiador:

Experiência flexível e a conectividade

Quando se pensa em transformação digital, praticidade é um termo utilizado com certa recorrência, pois compactua com uma das grandes propostas por trás da presença da tecnologia. Os consumidores atuais, acima de qualquer coisa, desejam ter facilidade para pesquisar, comprar e receber serviços independentemente do dispositivo escolhido para realizar tal ato. Logo, é missão da empresa assegurar que a qualidade da experiência está sendo preservada em todos os canais disponibilizados.

Por outro lado, os dados simbolizam uma tendência irrefreável no contexto digital. É através deles que se pode almejar uma plena conectividade entre regiões geográficas e fusos horários distintos, oferecendo artifícios para que os clientes tenham controle de suas experiências, seja lá onde estiverem.

ERP transforma o armazenamento e uso dos dados

Considerando os próximos meses, a questão acerca do comércio moderno exige uma ampla resposta tecnológica, principalmente na área financeira, segmento responsável por lidar com uma quantidade elevada de informações sensíveis de cunho pessoal. Para proporcionar uma experiência exclusiva, os profissionais precisam se apoiar em uma visão completa dos usuários, a fim de conquistar o interesse e o apreço dos clientes. Isso significa se atentar à confiança do consumidor quanto à integridade dos dados concedidos, priorizando a coleta e o processamento dos materiais de forma transparente e adequada ao consentimento explícito do usuário.

A implementação de um sistema integrado de gerenciamento empresarial (ERP) torna possível a transição desses conceitos do campo teórico para a rotina de comunicação externa. Além de gerar insights por meio de funções analíticas avançadas sobre o manuseio dos dados, essas plataformas digitais possuem métodos de cruzamento e combinação de informações originadas em diversas fontes, sempre em prol do compartilhamento com todas as linhas internas.

Para o setor financeiro, a demanda quanto à existência de recursos inovadores só tende a aumentar após um período no qual a tecnologia protagonizou as relações de compra. As tendências da economia da experiência, se aplicadas com precisão nas políticas de serviço, têm todas as condições de inserir a empresa em um novo patamar comercial.

Qual é a sua opinião sobre as tendências da economia da experiência? Sente que estão sendo utilizadas em seu negócio? Participe do debate e faça essa reflexão.

Por Redação

Via CIO

*Mauro Inagaki é Co-Founder e CEO na b2finance

Editor MDR

Você pode gostar também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *