8 fatores macro que moldarão os negócios na década de 2020

 8 fatores macro que moldarão os negócios na década de 2020

Executivos devem olhar além da pandemia para outras questões globais que moldarão os negócios na década de 2020, diz Gartner

A Covid-19 certamente mudou o comportamento dos consumidores, bem como, a maneira que as empresas operam. Entretanto, para a empresa de consultoria Gartner, a Covid-19 é apenas um dos oito principais fatores que remodelarão os negócios nesta década. A pandemia global terá um impacto duradouro e de longo alcance no mundo dos negócios, mas outras mudanças nas áreas do ambiente de macrobusiness – como preços do petróleo, enfraquecimento das relações internacionais e mudanças climáticas – deverão gerar impactos que definirão o comportamento da década.

Dívida altamente alavancada e alianças internacionais sendo desfeitas, são alguns dos acertos de contas que ficarão pendentes para a próxima década. Para o Gartner, os executivos terão que enfrentar uma série de outros desafios durante a década de 2020, mas a partir desse turbilhão surgirão novas oportunidades de negócios.

“A pandemia da Covid-19 chegou em um momento em que as economias já estavam no limite”, diz Mark Raskino, Vice-presidente de Analistas do Gartner. “Um boom de uma década, gerado substancialmente a partir de financiamento barato e energia de baixo custo, levou a tensões estruturais, como dívidas altamente alavancadas, alianças internacionais em ruínas e preços de ativos semelhantes a bolhas. Estes estavam atrasados para o acerto de contas”.

Apoiador:

No. 1: pandemia global

O impacto da Covid-19 dependerá fortemente de quanto tempo dura a pandemia. Um período de tempo mais curto significa que as pessoas reverterão mais rapidamente para formas de operação pré-pandêmicas. Por exemplo, após o 11 de setembro, as pessoas voltaram ao comportamento normal de voo três anos depois. Se a pandemia persistir, é mais provável que tenha efeitos sociais duradouros. Por exemplo, a Grande Depressão impactou os hábitos alimentares por décadas.

Pense em como a pandemia afetará os comportamentos da sociedade, como higiene pessoal e normas de espaço pessoal, reuniões sociais e interações familiares, a taxa de poupança e os hábitos de compra do consumidor.

No. 2: Queda e recessão do mercado

Embora a Covid-19 tenha servido como catalisador visível para as quedas de mercado de 2020 e a recuperação subsequente, a realidade é que os mercados já eram frágeis e precários. De fato, o Gartner constatou que em 2018 e 2019, metade dos CEOs estava antecipando e se preparando para uma crise econômica, o que torna essa recessão única em 2002-2003 e 2009.

Considere uma variedade de curvas de taxa de crescimento econômico e comercial e teste os planos de recuperação em relação a diferentes possibilidades. É provável que as organizações vejam reconfiguração e mudanças de tendência no mercado de capitais.

No. 3: Exuberância da tecnologia desaparece

Nos últimos 10 anos, uma variedade de tecnologias emergentes revolucionárias foi um grande foco para empresas que procuram inovar e diferenciar. Esse entusiasmo técnico pode diminuir nos próximos anos. Algumas tecnologias, como inteligência artificial (AI), continuarão populares, mas a adoção de tecnologias mais avançadas, como computação quântica e blockchain, com casos de uso menos óbvios, pode diminuir.

Revisite os planos de investimento especulativo em novas tecnologias, uma vez que as placas céticas reduzem o interesse em tecnologias menos comprovadas. Comece a pensar em planos de reestruturação para transformação digital no ambiente atual. Haverá uma tendência ao foco no resultado e ao pragmatismo em relação à experimentação aberta e à inovação com as tecnologias mais recentes.

No. 4: Escassez de talentos

Apesar do aumento global das taxas de desemprego, a principal falta de talentos continuará atormentando os executivos. Embora a Covid-19 tenha aumentado o desemprego e o subemprego, ele não criou novos grupos de talentos em demanda.

Reconsidere que tipos de conjuntos de habilidades serão necessários no mundo pós-Covid-19 e inicie ou aumente os programas de requalificação durante as paradas. Considere também maneiras de ampliar o pool de disponibilidade de talentos repensando o trabalho remoto ou as opções de gig economy.

No. 5: Desconfiança sistêmica

Mesmo antes da Covid-19, a confiança global do consumidor e do cidadão estava no nível mais baixo de todos os tempos. Agora, fronteiras fechadas, combinadas com uma desconfiança de “outros” – até mesmo parceiros comerciais próximos anteriormente – ameaçam aumentar a diferença. No entanto, é possível que, a longo prazo, um inimigo comum ao vírus inspire empatia, propósito comum e cooperação.

Enquanto isso, considere se os consumidores continuarão fiéis a marcas de longa data ou mudarão para aqueles que possuem suprimentos limitados. Os CEOs tiveram que tomar decisões difíceis em resposta à Covid-19.

Veja se essas ações mudaram irrevogavelmente atitudes em relação à marca. Uma conexão mais pessoal – como um e-mail aberto, autêntico e empático para os clientes – pode ajudar a superar a desconfiança.

No. 6: Fraca produtividade

O lento crescimento da produtividade e a falta de foco na eficiência e produtividade estão em desacordo com o crescimento econômico da década passada. A Covid-19 pode gerar mudanças que exijam que os executivos analisem mais atentamente as operações da organização, de produtos desatualizados a obstáculos burocráticos.

Considere como uma proporção maior de trabalho remoto afetará a produtividade geral. O custo de operação em um mundo socialmente distanciado aumentará os custos, exigindo uma reengenharia significativa para retornar à produtividade pré-Covid.

No. 7: Conflito no preço do petróleo

A economia global atual depende de petróleo. No auge de 2008, o petróleo atingiu um preço por barril de US$ 150, mas agora enfrenta o extremo oposto e não planejado. Em março de 2020, devido a uma disputa entre a Rússia e a Arábia Saudita, o preço por barril caiu para cerca de US$ 20 e, após a recuperação, ficou em torno de US$ 40. Isso tem a capacidade de redefinir suposições que são a base da concorrência global em muitos setores e remodelar as economias.

Considere como a energia de hidrocarbonetos competirá com a energia solar e eólica e como isso afetará a aviação global, produtos químicos, plásticos e outros. Além disso, considere a possibilidade de uma superação nos cortes no suprimento de petróleo fazer com que o preço suba novamente.

No. 8: Mudança climática

No início de 2020, as mudanças climáticas estavam se movendo para a vanguarda do enquadramento de estratégias e planos de negócios de longo prazo. Embora ofuscado temporariamente pela Covid-19, os executivos devem assumir que ele continuará a influenciar os negócios na próxima década.

Não se deixe enganar por vitórias ambientais temporárias causadas por bloqueios e viagens reduzidas, embora você possa procurar esses resultados para obter inspiração sobre como ajustar o trabalho permanentemente. Lembre-se de que os principais projetos de infraestrutura projetados para mitigar as mudanças climáticas podem ser adiados por um redirecionamento do financiamento para pacotes de estímulo, exigindo a criação de estratégias alternativas de redução de carbono.

Não importa quão cansada sua equipe se torne, os líderes executivos nunca devem reduzir o tempo gasto no planejamento e replanejamento de cenários. Espere retornar a esses fatores macro repetidamente nos próximos dois anos. Esse trabalho será crucial para a sobrevivência corporativa a curto prazo e à saúde a longo prazo.

Por Redação

Via CIO

Editor MDR

Você pode gostar também...

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *